Sobre a Frente

 A Frente Nacional pela Saúde de Migrantes é resultado do processo de mobilização iniciado pela Plenária Nacional Saúde e Migração. Seu objetivo é articular uma rede de colaboração a nível nacional entre entre migrantes, ativistas, pesquisadores, organizações e serviços de assistência migratória, tornando o debate sobre saúde e migração permanente.

visto.jpg

Saúde, migração, mobilidades

A interface entre saúde e migração nem sempre recebe a devida atenção no Brasil. Garantir o direito à saúde aos e às migrantes é promover uma política migratória que respeita os direitos humanos, sempre observando de maneira atenta as particularidades sociais, econômicas, raciais, étnicas, culturais e de gênero de cada comunidade.

Foto: Sebastião Almeida

Migrantes e o SUS

O Sistema Único de Saúde brasileiro se apoia em três pilares paradigmáticos: a universalidade (todes têm direito a usufruir do SUS), a integralidade (todas as dimensões do cuidado em saúde precisam ser consideradas, não apenas as biomédicas) e a equidade (é preciso garantir esses direitos observando as diversas diferenças que compõem a sociedade brasileira). Mesmo sem documentos e sem falar português, migrantes têm que ter garantido seu direito à saúde sem serem ameaçados de prisão ou deportação, e é preciso que esse cuidado em saúde respeite o direito dos e das migrantes de entenderem as informações relativas ao seu caso. Por isso, estratégias específicas precisam ser adotadas para garantir esse direito, sempre tendo um horizonte de cuidado intercultural.

Image by Guilherme  Cunha

NINGUÉM
É
ILEGAL

EM  TERRA ROUBADA